Fremont_Captain America-2

Audio_eLesson_2013-0909 (Em inglês)

Nós fazemos um exercício de meditação-respiração em alguns cursos do Caminho do Guerreiro (Warriors’ Way). A intenção do exercício é redirecionar a atenção. O processo inclui focar a nossa atenção na atividade somática da respiração, observando quando a atenção é distraída para o pensamento, e redirecioná-la para a atenção. Nós fazemos isso por cerca de 3 minutos. Depois do exercício, nós perguntamos aos estudantes sobre suas observações, especialmente quantas vezes eles notaram que estavam pensando e tiveram que redirecionar sua atenção para a respiração. Nós obtemos uma variedade de respostas, variando de uma ou duas vezes, até centenas delas. Então, nós perguntamos aos estudantes: qual é o indício de ter uma mente que é focada e consciente: poucos ou muitos redirecionamentos de atenção?

Os estudantes tendem a relacionar poucos redirecionamentos de atenção com uma mente mais focada e consciente. Suas mentes lhes pregaram uma peça criando um resultado final – não ter muitos pensamentos – de forma que seus egos se sentissem satisfeitos. Seus egos relacionam ter poucos pensamentos com uma mente focada. Na realidade, é o oposto. Se tornar mais consciente e mentalmente focado é um processo constante de perceber os diversos pensamentos sutis que a mente cria.

A primeira coisa para se lembrar ao observar a mente é entender que o seu trabalho é pensar, e que ela faz isso constantemente. A tendência da mente de pensar constantemente dificulta manter a atenção exclusivamente focada numa atividade somática, como respirar. A atenção se distrai facilmente da respiração, voltando-se para o pensamento. Se nós notamos poucas distrações, isso indica que a mente está limitando nossa consciência, evitando que notemos pensamentos mais sutis.

Existem diferentes níveis de pensamento: do evidente até o sutil. Na atenção evidente, nós reconhecemos distrações grandes. Por exemplo, se estamos focados em escalar acima da proteção, numa via desafiadora, nós notamos uma distração evidente: como o medo de cair. É preciso maior atenção para notar as diversas distrações sutis, como usar força desnecessária nas agarras, ficar elevado nas pontas dos pés, pensamentos de fracasso, desejo por sucesso, etc.

Precisamos distinguir o ato de pensar de nossa habilidade de observar a mente, para elevar a consciência. Nós precisamos manter essa perspectiva diferente, entre o observador e a mente. Observar a mente aumenta nossa habilidade de notar níveis mais sutis de atividade mental. Observando a mente, nós nos tornamos conscientes de nossa tendência maníaca de pensar. Praticando exercícios de meditação, nós melhoramos nossa habilidade de observar distrações e podemos redirecionar nossa atenção mais rapidamente.

A lição aqui é que desenvolver a consciência é um processo constante, ao contrário de um resultado final e definitivo. Se nós observamos somente uma ou duas distrações de atenção enquanto meditamos, então a mente nos enganou, fazendo-nos pensar que atingimos um modo Zen, com um resultado final sem nenhum pensamento. Na verdade, a mente pensa continuamente. Nós precisamos melhorar nossa habilidade de observar pensamentos sutis que distraem nossa atenção. Fazer isto é um constante processo de se tornar mais consciente.

Leave a Reply

Close Menu