Eu morava em Casper, Wyoming, no início dos anos 80. Eu estava casado, trabalhava como geólogo e escalava nas áreas locais. Pode parecer que eu estava vivendo a vida dos sonhos, mas não estava. Eu queria ser livre – viajar e escalar em tempo integral; ser, o que nós chamávamos na época, um vagabundo da escalada. Eu estava frustrado e me sentia preso, incapaz de escapar e viver o tipo de vida que eu desejava. Eu me lembro de dizer, em um momento de desespero: “As coisas estão ficando muito ruins. Quando alguém vai fazer algo sobre isso? ”Eu estava sofrendo, dividido entre duas realidades, e não sabia como escapar disso.

Tara Brach é uma psicóloga que mistura princípios psicológicos com práticas de meditação budista. O budismo ensina que há uma distinção entre dor e sofrimento. A dor é inevitável; o sofrimento é causado pela nossa resistência à dor. Tara coloca essa distinção em equações interessantes:

  • Dor x Resistência = Sofrimento
  • Dor x Presença = Liberdade

Eu estava vivendo a realidade da primeira equação. Eu estava com dor devido às dificuldades que experimentava. Transformei essa dor em sofrimento, resistindo a ela. Minha resistência criou uma lacuna entre a dor que eu estava experimentando e estar presente para ela. O sofrimento preenchia essa lacuna. Dor, vezes resistência, é igual a sofrimento.

Tara sugere fechar essa lacuna para remover o sofrimento e criar liberdade. Consciência é fundamental. Nós aceitamos e prestamos atenção à dor. A dor é apenas dor. A mente cria uma narrativa sobre a dor que causa sofrimento. Para mim, criei uma história onde minha vida era muito ruim. Então, eu me perguntei quando alguém iria notar o meu sofrimento, ter pena de mim e agir para me ajudar. Este é um truque típico da mente. Procura o caminho mais fácil, transformando a dor em sofrimento.

Quando aceitamos nossas vidas, então estamos livres para mudar para as vidas que queremos viver. Ainda sentiremos dor, mas nossa atenção está liberada para agir. A aceitação pode parecer desistência, apenas lidar com a vida e permanecer na mesma situação. Mas não é. A aceitação é necessária antes que a ação possa ocorrer. Ao aceitar nossas vidas como elas são, podemos nos libertar da situação de ficarmos presos. A aceitação nos ajuda a ver o que é real, para que possamos começar a trabalhar com isso.

Eu precisava aceitar minha vida como era, em toda a sua dor. O primeiro passo seria remover o rótulo “ruim”. Uma vida cheia de luta não é ruim; é inevitável. A vida é difícil. Quando aceitamos que é difícil, o fato de ser difícil não importa mais. Nós apenas vamos direto ao ponto de fazer o trabalho. Em segundo lugar, assumimos a responsabilidade pessoal pelas nossas situações, tanto quanto pudermos. Em vez de esperar que alguém resolva nossos problemas, olhamos para dentro de nós mesmos. É útil receber conselhos e apoio de nossos amigos e familiares, mas, em última análise, é nossa responsabilidade agir. Ao aceitar que a vida é uma luta, nós nos envolvemos e nos responsabilizamos voluntariamente por ela. Isso nos libera para estarmos presentes, trabalhar em nossas lutas e desfrutar de todo o processo. Dor, vezes presença, é igual a liberdade.

Livrar-nos das muitas armadilhas da mente exige que façamos exatamente o oposto do que achamos que deveríamos fazer. Eu acho que isso dialoga com o paradoxo fundamental da vida. Pensamos que a vida deve ser como queremos que seja, em vez de como ela realmente é. Muito deste paradoxo é devido à criação do ego de uma realidade ilusória separada. Nossos egos reforçam a percepção de nossa separação, fazendonos sentir como o mundo é paradoxal. Queremos estar confortáveis, mas alcançamos conforto ao nos envolvermos com o estresse. Queremos ser amados, mas alcançamos amor amando os outros. Queremos uma nova vida, mas conseguimos uma nova vida aceitando a nossa atual e assumindo a responsabilidade por ela. Esses são exemplos de foco em nós mesmos; estes últimos são exemplos de foco no mundo ao qual estamos conectados. Ao desviar nosso foco de nossa separação e em direção à conexão, nós nos movemos para além do paradoxo e vivemos nossas vidas em uma realidade mais verdadeira. Fazer isso muda nosso sofrimento para simplesmente sentir a dor. Mais importante, nós não procu- ramos escapar de nossas vidas; procuramos apreciálas em sua apresentação completa de luta e dificuldade.

Leave a Reply

Close Menu