por Jes Meiris

Eu sou uma treinadora do método Warrior’s Way e moro em Colorado Springs, Colorado. Eu tenho trabalhado na indústria outdoor, principalmente como guia de escalada, por 14 anos e me tornei uma treinadora do Warrior’s Way em 2015, depois que uma das clínicas de Arno teve um tremendo impacto na minha escalada. Eu sempre soube que meus dias em uma carreira fisicamente exigente como ser guia estavam contados devido a uma condição genética nas articulações exacerbada por um estilo de vida ativo. Alguns anos atrás, comecei a pesquisar minha lista de opções alternativas de profissões com mais detalhes, para que eu estivesse preparada quando estivesse pronta para fazer essa transição. Uma lesão crônica no cotovelo encurtou rapidamente essa linha do tempo, e, quase simultaneamente, me tornar uma pilota de helicóptero subiu ao topo da minha lista de opções que melhor se adequavam à minha personalidade e habilidade.

Existem vários paralelos entre a aviação e ser guia de montanhas, como gerenciamento de riscos, avaliação do clima, sistemas técnicos, comunicação clara e manter da postura em situações de alta pressão. Embora essas habilidades sejam usadas diariamente na escalada, nenhuma delas me preparou para a experiência de pilotar um helicóptero. Meu conhecimento experimental dessas áreas na escalada não foi transferido imediatamente para voar. Eu estou gradualmente fechando essa lacuna enquanto pratico o voo e tenho notado muitos paralelos de como o material do The Warriors Way se aplica a isso.

Durante o voo, o piloto deve gerenciar um número incrível de tarefas ao mesmo tempo. Tarefas como: os três controles primários de voo para permanecer no ar, comunicações de rádio, aquecimento e resfriamento do motor, observação do tráfego da empresa, previsão do tempo, e a lista continua. Eu coloquei muita atenção em como meu treinamento mental pode contribuir para o gerenciamento dessas tarefas. O Caminho do Guerreiro nos ensina a nos preocupar em escalar com nossos corpos ou pensar com nossas mentes. Ao voar, no entanto, dedicar atenção a uma única tarefa pode desviar nossa atenção de outras tarefas que são igualmente importantes naquele momento. Uma maneira como o Warrior’s Way ajuda a gerenciar esse problema é ampliar a conscientização para todas as tarefas que exigem nossa atenção e, em seguida, aumentar a atenção para a de maior prioridade. Em outras palavras, uma tarefa recebe mais atenção enquanto ainda está ciente de todas as outras tarefas relevantes. Por exemplo, eu estarei ciente de todas as tarefas listadas acima, mas especialmente focada na comunicação do rádio. Na escalada, embora o Warrior’s Way nos ensine a dedicar nossa atenção a pensar sobre o risco em posições de descanso, ainda precisamos manter a consciência de nossa posição corporal (particularmente de nossos pés), nossa força dos braços e a respiração para maximizarmos a recuperação de nossa energia física. A mente pode gerenciar mais tarefas simultaneamente quando há menos estresse. No entanto, quando nossa situação é mais estressante ou inclui limitações de tempo, torna-se mais importante dedicar nossa atenção a uma tarefa de cada vez e seguir nossa intuição, em vez de nossos pensamentos analíticos. A intuição nos permite integrar todos os aspectos da situação e responder rapidamente à tarefa que requer atenção imediata. Nós ensinamos uma abordagem muito “preto no branco” para dedicar atenção inicialmente em nossas clínicas. Ampliar nossa atenção mergulha nas áreas ‘cinzas’ desse treinamento, que desenvolvemos com a prática continuada, uma vez que aprendemos o básico de dedicar nossa atenção.

Eu apliquei os princípios do Warrior’s Way para ser uma pilota mais eficiente para pairar o helicóptero. Pairar é uma das manobras mais difíceis de aprender e só pode ocorrer quando todas as forças que atuam na aeronave – peso, sustentação, resistência e empuxo – estão em perfeita harmonia e equilíbrio. É desafiador, não por causa do esforço físico necessário para controlar a máquina, que é realmente mínimo, mas sim porque o esforço mental para responder às forças aerodinâmicas em constante mudança é enorme. Os pilotos estudantes têm uma tendência a “supercontrolar” por serem fisicamente agressivos demais com suas entradas. A aeronave também está a poucos metros do solo, o que pode parecer assustador. É aí que entra o treinamento mental!

Eu estava tendo dificuldades com o pouso do helicóptero ao pairar a nave. Eu poderia manter um nível de altura perfeito, mas quando tentei pousar, fiquei nervosa com os controles porque estava com medo de causar um impacto muito forte ou girar o helicóptero. Embora haja sempre algum perigo real, também tenho a “rede de segurança” do meu instrutor, que é treinado para consertar os erros que cometi. Isso elimina a maior parte do risco real, que é semelhante ao risco diminuído de escalar em top-rope ou escalar graus bem abaixo do nosso limite. A sensação de nervosismo me lembrou da experiência das “pernas de Elvis” na escalada: nossas pernas começam a tremer quando o medo e a dúvida penetram nossas mentes. O medo coloca tensão nos músculos da panturrilha, o que faz com que eles se contraiam e tremam. Concentrar nossa atenção em abaixar os calcanhares, relaxar e expirar pode ajudar a diminuir a tensão nas pernas. Se estivermos guiando, então também podemos diminuir o estresse e o medo desescalando para uma posição de descanso. Da mesma forma, ao aterrissar o helicóptero, posso me concentrar em relaxar meus músculos, o que ajudará a aliviar o controle excessivo, a respiração para promover a tranquilidade e manter meus olhos no horizonte para proporcionar uma sensação de equilíbrio e perspectiva. Em outras palavras, redirecionando a atenção para a respiração, o foco nos olhos e a consciência corporal, assim como ensinamos na escalada.

Eu também percebi que minhas aterrissagens não precisam ser perfeitas; só precisam ser seguras. Meu instrutor me ensinou que a zona de segurança é MUITO maior do que eu pensava que era. Eu posso explorar dentro dessa zona de desconforto, semelhante à área cinzenta a qual dedicamos nossa atenção. O ponto é que, seja voando ou escalando, temos que estar dispostos a nos envolver com o estresse, sabendo que não há problema em ser um pouco desleixado às vezes e praticar muito! Podemos ser pacientes conosco para nos permitir aprender.

Onde o Warrior’s Way pode ser aplicado em nossas vidas fora da escalada? Eu acho que você vai descobrir, como eu, que existem muitos paralelos. Eu sou grato pela caixa de ferramentas que o material do Warrior’s Way me fornece, sabendo que posso aplicá-lo em tantos aspectos diferentes da vida. Embora eu esteja fazendo uma transição de carreira, ainda planejo ensinar clínicas de treinamento mental e guiar clientes em meio período. Espero ver você em um curso em breve!

This Post Has One Comment

  1. Excelente texto! Iniciei na escalada esportiva a apenas um mês, mas já percebi o potencial que ela exerce em minha mente. Principalmente por atualmente em ter me formado Coach pela Febracis e por estar muito presente para os aspectos da Inteligência Emocional. Eu concordo plenamente com a possibilidade de transpor os aprendizados da escalada para outras áreas da vida. Inclusive eu já começo a vislumbrar algo que una a escalada com o desenvolvimento pessoal, de forma que a escalda deixe de ser apenas uma metáfora para alguns e se torne uma preparação para os desafios da vida! Parabéns Jes Meiris, por enfrentar a si mesma e por nos inspirar a querer mais!

Leave a Reply

Close Menu